SindGESTOR - Sindicato dos Gestores Governamentais de Goiás

Ir para página inicial

Comunicação

Notícias

'Diminuir salário de servidor para enfrentar déficit é tapar sol com a peneira' - Artigo Eduardo Aires

O portal Congresso em Foco publicou, no último sábado (2/12), o artigo 'Diminuir salário de servidor para enfrentar déficit é tapar sol com a peneira', assinado pelo presidente do SindGESTOR, Eduardo Aires. No texto, Aires - que é ainda presidente da Federação Nacional de Carreiras de Gestão de Políticas Públicas (Fenagesp), avalia a intenção, ventilada no governo federal, de diminuir o salário inicial das carreiras do serviço público federal. "Somos favoráveis a cortes de gastos, mas não compactuamos com a disseminação de informações imprecisas", diz Eduardo.

Leia a íntegra do artigo, abaixo, ou a publicação original no Congresso em Foco.


'Diminuir salário de servidor para enfrentar déficit é tapar sol com a peneira

O governo federal, amparado por um estudo do Banco Mundial, prepara um projeto para diminuir a remuneração inicial de todas as carreiras do poder executivo federal. O argumento é que a remuneração de ingresso no serviço público é desarrazoadamente maior que a remuneração inicial de um profissional na iniciativa privada.

Como servidores de carreira, louvamos ações que diminuam gastos públicos, privilegie investimentos e estimule a economia. Também compartilhamos da indignação de saber das distorções absurdas que existem na folha do funcionalismo, as quais, infelizmente, tornam-se invisíveis quando discutem-se médias salariais.

Somos favoráveis a cortes de gastos, mas não compactuamos com a disseminação de informações imprecisas, muitas vezes resultantes de perguntas mal formuladas, das quais só podem surgir respostas equivocadas. Discutir com base em truísmos populistas, que soam doces aos ouvidos, mas que não enfrentam o problema, foi e continua a ser a atitude preponderante que nos trouxe ao atual cenário econômico, de crise.

Que a remuneração inicial na carreira de gestor governamental e todas as outras do Governo Federal estão acima da média inicial de um advogado, engenheiro ou economista recém-formados, não há duvidas. E não poderia ser diferente, já que a comparação é descabida. Os aprovados em concursos públicos de carreiras são, em sua maioria, profissionais com mais de uma década de experiência, 34 anos de idade (em média), detentores de títulos de pós graduação lato sensu e, não raramente, stricto sensu.

Uma discussão séria também deve ter em conta que o aprovado em concurso não está sendo contratado por um escritório sem know how (como ocorre com a grande maioria de profissionais recém-formados), com meia dúzia de profissionais. Estamos falando de uma megaorganização, com centenas de milhares de trabalhadores.

Dito isso, os valores de referência para discussão são outros, pois tratamos do recrutamento de profissionais sênior, egressos do mercado para uma grande corporação. Quando uma grande empresa, que busca a excelência e ótimos resultados, abre o processo de seleção para profissionais sênior, não o faz em busca do profissional mais baratos e nem cogita colocar em posições estratégicas recém-formados. Elas buscam o profissional mais qualificado e essa é a razão da opção pelo concurso público e não uma licitação tipo menor preço.

Se os gestores não estão em cargos e desempenhando papel de gestão – como o próprio nome sugere – é devido a uma dificuldade do governo, e não do servidor público. Ao buscar o valor da remuneração média do profissional com esse perfil – e existem esses estudos em nosso país –, um advogado sênior em cargo de direção e assessoramento receberá uma remuneração entre R$ 11 mil e R$ 41 mil, a depender de sua área de atuação, e para ficar somente na profissão de advogado.

Por óbvio que o subsídio do Governo Federal não é nivelado por baixo, mas está rigorosamente dentro da média do mercado. Quanto mais se primar pela qualidade do profissional, mais atrativa deve ser a remuneração – e claro que a população não é desejosa da diminuição da qualidade das contratações no serviço público, que já deixa a desejar por completa falta de estrutura e investimento.

Servidores não desejam e muito menos aceitam que o patrimônio público seja dilapidado – razão pela qual somos favoráveis a correções de eventuais distorções e estamos abertos ao diálogo e à construção de alternativas. Mas até o momento o governo não se mostrou disposto a enfrentar o problema. Somente movimentou-se em busca de melhorarias de sua imagem, espalhando “verdades” fáceis e palatáveis aos que desconhecem a dinâmica da administração pública.

*Eduardo Aires Berbert Galvão é presidente da Federação Nacional de Carreiras de Gestão de Políticas Públicas (Fenagesp) e do Sindicato dos Gestores Governamentais de Goiás (SindGestor).

Data : 04/12/2017

Fonte : Comunicação SindGESTOR -





Seminário em Brasília lança livro com trabalho de gestora

Seminário em Brasília lança livro com trabalho de gestora

 23/04/2018

 Comunicação SindGESTOR

Foi lançado hoje (23/4), em Brasília, o livro 'Brasil Metropolitano em foco: desafios à implementação do Estatuto da Metrópole', que traz, em um dos capítulos, o trabalho da gestora governamental Elcileni Borges. O texto resume todo o [...]




Gestores governamentais assumem cargos estratégicos na Sefaz

Gestores governamentais assumem cargos estratégicos na Sefaz

 10/04/2018

 Comunicação SindGESTOR

O novo titular da Superintendência do Tesouro Estadual - unidade da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) -  é o gestor governamental de Planejamento e Orçamento Gilson Geraldo Valério do Amaral, aprovado em concurso público em 2002. Desde o início [...]


Empossada Diretoria 2018-2021

Empossada Diretoria 2018-2021

 03/04/2018

 Comunicação SindGESTOR

A nova Diretoria Executiva do SindGESTOR, eleita para o período 2018-2021, foi empossada ontem (2/4) pela Comissão Eleitoral (Comel) do SindGESTOR. A posse ocorreu na sala de reuniões II do prédio-sede (Edifício The Prime Tamandaré Office) [...]


Nova Diretoria Executiva será empossada nesta segunda (2)

Nova Diretoria Executiva será empossada nesta segunda (2)

 02/04/2018

 Comunicação SindGESTOR

A nova Diretoria Executiva do SindGESTOR, eleita no último dia 22 para o triênio 2018/2021, será empossada nesta segunda-feira (2), em cerimônia realizada na Sala de Reuniões II do edifício-sede do Sindicato. O grupo foi eleito com 54,8% dos votos e [...]


Gestão 2015/2018 é encerrada com grandes conquistas

 30/03/2018

 Comunicação SindGESTOR

A Gestão 2015/2018 se encerra neste dia 31/3 com série de conquistas a serem celebradas. Apesar do cenário de desafios enfrentados no período e a baixa perspectiva quanto a negociações com o governo, a Diretoria Executiva conseguiu promover [...]




Chapa 1 é eleita para o triênio 2018/2021

Chapa 1 é eleita para o triênio 2018/2021

 22/03/2018

 Comunicação SindGESTOR

A Chapa 1 foi eleita, com 54,8% dos votos válidos, para comandar a Diretoria Executiva do SindGESTOR no período de abril/2018 a março/2021. A eleição, realizada nesta quinta-feira (22), na capital, teve a participação recorde de 392 gestores [...]



CSB reconhece trabalho e agradece parceria do SindGESTOR

CSB reconhece trabalho e agradece parceria do SindGESTOR

 20/03/2018

 Comunicação SindGESTOR

Em reconhecimento ao trabalho da atual gestão do Sindicato dos Gestores Governamentais de Goiás (SindGESTOR) na consolidação da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) em Goiás, em defesa dos servidores e serviços públicos, a CSB Goiás [...]


DEBATE: prorrogado prazo para envio de perguntas

DEBATE: prorrogado prazo para envio de perguntas

 20/03/2018

 Comunicação SindGESTOR

O prazo para que os gestores governamentais enviem perguntas a serem respondidas pelos concorrentes à Diretoria Executiva do SindGESTOR foi prorrogado ATÉ 12H DE HOJE (20/3). O debate será realizado logo mais, a partir das 19h, no auditório do Colégio [...]