SindGESTOR - Sindicato dos Gestores Governamentais de Goiás

Ir para página inicial

Comunicação

Notícias

'Governo joga para a torcida ao invés de enfrentar o problema' - Artigo Alex Canuto (presidente Anesp)

O presidente da Associação Nacional dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental (Anesp) e membro da Federação Nacional de Carreiras de Gestão de Políticas Públicas (Fenagesp), Alex Canuto, publicou, nesta semana, artigo na Folha Online. Com o título 'Governo joga para a torcida ao invés de enfrentar o problema' o especialista avalia as medidas fiscais anunciadas pelo Governo Federal nos últimos dias, sob o pretexto de contenção de desepesas, que prejudicam, em sua maioria, o funcinalismo público.

Confira o texto na íntegra, logo abaixo, ou acesse neste link o post original. O texto está na coluna Interesse Público, comandada pelo jornalista Frederico Vasconcelos.

Governo joga para a torcida ao invés de enfrentar o problema

As medidas fiscais anunciadas na semana passada servem para agradar o mercado. Infelizmente servem só pra isso, pois ou são inócuas ou vão gerar rombo ainda maior que o atual. Adiamento de reajustes e redução de salário de futuros servidores, que sequer se sabe se serão contratados, constituem apenas uma cortina de fumaça sem efeito.

Destinam-se a encobrir a nova meta fiscal, alargada não tanto pela frustração de receitas em decorrência da inflação, mas principalmente por aberrações como anistia a sonegadores e redução de alíquota do Funrural, concedidas perto da votação do impeachment, assim como a liberação de emendas parlamentares. Soma-se a isso a iminente desfiguração do REFIS e os 3,5 bi para o fundo eleitoral.

Essas benesses para os amigos têm um custo, que o governo quer repassar para a classe média e desempregados, com aumento de PIS/COFINS dos combustíveis e arrocho salarial, também devidamente encobertos com firulas retóricas para enganar o mercado.

O adiamento de reajustes concedidos pelo próprio governo a servidores só posterga e aumenta o problema, pois ao violar direito adquirido, já reconhecido em jurisprudência do STF e STJ, cria-se mais um esqueleto nas contas públicas. Haverá uma enxurrada de ações judiciais com êxito praticamente certo e algum dos próximos governos vai ter que pagar retroativamente o que é devido, com juros e sucumbência, deixando a conta para gerações futuras.

O pior é a falácia da redução de salário nominal de gestores públicos. Na verdade, os salários dos atuais servidores não serão reduzidos, pois o novo valor só se aplicaria a futuros ingressantes. Ocorre que os concursos no Executivo Federal estão suspensos por falta de recursos. Ou seja, governo está anunciando um desconto em um produto que ele mesmo não vai comprar.

Trata-se portanto de mero teatro para o mercado, como o dirigente de clube de futebol prestes a ser rebaixado que começa a inflar a torcida com cânticos que atacam o clube rival, numa atitude sem nenhum efeito prático, a não ser uma bela “Schadenfreude”.

O atual rombo fiscal foi causado por incompetência e corrupção, e o mais demagógico é que o governo está atacando justamente as carreiras públicas que trabalham com melhoria da gestão e combate à corrupção.

Para isso, compara caixa de uvas com saco de maçãs. Compara o salário de “economistas e administradores” do setor público com o privado, mas malandramente omite que estes servidores, ainda que tenham cursado graduação nessas áreas, não prestaram concurso para estes ofícios, e sim para serem auditores fiscais, policiais, ou especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental, cargos que não possuem correspondentes na iniciativa privada.

Omite também que quem opta pela carreira pública não atinge os altos salários que o setor privado pode pagar, a não ser que fure ilegal e imoralmente o teto constitucional. Há ainda falácias como salários de R$ 17 mil para recém-formados na carreira de gestão, como se isso fosse regra, sendo que a maioria dos aprovados já entra com experiência profissional e/ou pós-graduações, e a média de idade dos ingressantes é 34 anos.

Enfim, trata-se de uma disputa entre as instâncias meritocráticas do Estado e a classe política. A pirotecnia fiscal do governo ataca frontalmente os concursados que combatem os desmandos dessa classe, tais como loteamentos de cargos, liberações de emendas e foros privilegiados. E além de tudo ainda tenta jogar a sociedade contra os concursados, com meias verdades maliciosas.

Data : 23/08/2017






Criado por gestor, Tesouro Verde é liberado para o Produzir

Criado por gestor, Tesouro Verde é liberado para o Produzir

 30/11/2017

 Comunicação SindGESTOR

Você já conhece o Tesouro Verde? Assista, no vídeo abaixo, ao gestor governamental Moacyr Salomão explicando um pouquinho desse projeto. Gerente de Receita Extratributária da Sefaz, Moacyr é o idealizador do Tesouro Verde - projeto pioneiro do estado [...]



Chapa de gestor governamental vence eleições do CRC-GO

Chapa de gestor governamental vence eleições do CRC-GO

 23/11/2017

 Comunicação SindGESTOR

Foi divulgado ontem (22), no final do  dia, o resultado das eleições para a escolha dos novos conselheiros do Conselhos Regional de Contabilidade de Goiás (CRC-GO), e a Chapa 01, que traz o gestor governamental Einstein Paniago em sua composição, foi [...]





Vaga para gestor com FC

Vaga para gestor com FC

 21/11/2017

 Comunicação SindGESTOR

A Gerência de Modernização de Gestão da SEGPLAN busca gestor governamental para a unidade, com oferta de FCA-5,no valor de R$ 668. Para assumir a vaga é desejável facilidade de redação e interpretação de textos, para [...]



20/11 - Dia da Consciência Negra

20/11 - Dia da Consciência Negra

 20/11/2017

 Comunicação SindGESTOR

  Desde 2003, o dia 20 de novembro ficou conhecido com o Dia da Consciência Negra. A data comemorativa foi estabelecida pela Lei federal nº 10.639, quando foi instituído nas escolas do país o ensino da história e da cultura afro-brasileiras. A data [...]



Goiasprev busca assessores jurídicos

Goiasprev busca assessores jurídicos

 10/11/2017

 Comunicação SindGESTOR

A Goiasprev está ofertando 12 vagas para assessores jurídicos, com gratificação de função comissionada (FCA-2) no valor de R$ 1.336. As vagas se destinam a servidores efetivos ou celestistas, que tenham formação em Direito e [...]